As principais preocupações com a indústria do futuro, a chamada manufatura 4.0, e que não se enganem, ela já é realidade, é com o sumiço do emprego advindo da automação de tarefas. A Dassault já chama sua gestão de 3DExperience de governança invisível, quando o próprio softwares já faz a integração de todas as distintas plataformas que gerem uma empresa. Pesquisas diversas revelam que mais da metade dos empregos atuais devem sumir nos próximos 20 anos. Algumas pesquisas alardear 80% dos empregos atuais.

Desde varredores de rua a departamentos de contas a pagar devem sumir. A nova forma de consumir também deve afetar as indústrias atuais. Numa pesquisa recente, revela-se que praticamente todos os jovens que nasceram a partir do novo milênio já não tem no carro, o primeiro grande sonho de consumo, para os milênios, carro é algo que você chama por aplicativo para te levar e buscar. Hoje a Tecla, que entregou 75.000 veículos em 2016, já passou o valor de mercado da Ford e da GM, onde cada uma entregou 10.000.000 de séculos no mesmo ano. A percepção que o carro vale cada vez menos, e que caros ecologicamente corretos, autônomos serão a escolha real dos poucos que venham  comprar carros no futuro.

Neste cenário, a educação tem papel fundamental, não apenas por que os poucos empregos que virão serão destinados aos super capacitados, capazes de análises e decisões, inda além da inteligência artificial, mas também preparar um futuro de pessoas capazes de serem seus próprios patrões. Educação financeira, conhecimento em processos produtivos, acesso a ferramentas de criação. STEAM, cultura Makers, DIY, TinkerCAD, Arduíno, Scratch, Lego mindstorm, Raspberry etc.

Já não se trata de vender impressoras, se trata do futuro  e nossa  sociedade.