Prototipagem Rápida, a tecnologia que faltava


O que isto tem a ver com automóveis? Muito simples, isto reflete uma realidade brasileira que passou e finalmente começa a voltar. Após os anos 80 ocorreu uma estagnação industrial, para em 90 tudo ficar mais “collorido”. De lá para cá, o país abandonou “as carroças”, melhorou o nível de vida, deixamos o “patinho feio” para trás em busca de novos computadores, menores, mais rápidos, enfim, melhoramos a qualidade de nossos bens de consumo. Mas isto teve um preço, as empresas encolheram seus departamentos de engenharia, as empresas nacionais fecharam, e o marido ideal para sua filha passou a ser um jogador de futebol!

Mas agora, após quase vinte anos de pura reprodução do que era criado lá fora, as empresas estão voltando a ter desenvolvimento próprio. Nós podemos ver isto muito claro na área automobilística, com o Gol da Volkswagen, com o Celta e,  indo além, com o carro conceito vencedor da feira de automóveis de Detroit, nos Estados Unidos, o Sabiá, um misto de utilitário e esporte, totalmente desenvolvido pela G.M. do Brasil. E o resultado? O futuro voltou a brilhar para a engenharia.

A categoria que passou os últimos vinte anos praticamente adaptando tecnologia exterior, pegando produtos prontos lá fora e montando-os aqui dentro, volta a focar a criação. E o melhor, desta vez estamos buscando soluções de ponta para alcançarmos as multinacionais do exterior. Exemplos claros disto podem ser visto com a LG, por exemplo, onde a matriz na China chegou a ser sustentada pela planta brasileira que, por sinal, era lider de mercado em quase todos seus segmentos.

Mas como o Brasil conseguiu mudar? O que ocorreu? É muito simples, unimos as “armas” de desenvolvimento usadas por americanos, com a insuperável vontade do brasileiro.

O CAD por sí só revolucionou a indústria, aposentou as pranchetas e trouxe os “assentos”, as workstations para a área de projetos, trazendo grande autonomia e velocidade às mesmas, como o poder de desenhar, desenvolver e corrigir imperfeições em instantes, independente se era uma grande indústria ou pequena.

Uniu-se a isto, recentemente, a tecnologia que faltava: a prototipagem rápida (PR). As indústrias grandes dispunham de laboratórios maiores, de pátios e grande mão de obra disposta a produzir, montar e desmontar um projeto, até a perfeição. As indústrias pequenas, para superar as grandes, tinham como única alternativa usar o tempo a seu favor. O sistema de PR liga os projetistas ao modelo sólido, pronto para os testes. Através de um  software próprio, a PR é capaz de fatiar um desenho 3D de qualquer CAD e depois depositar camadas de plástico, em geral ABS, gerando um modelo igual ao do desenho. Através disto, modelos que levavam dias agora ficam prontos em horas, as correções são feitas em velocidades espantosas e um produto novo é lançado mais rapidamente.

Com isto, o Brasil vem atingindo um novo patamar na indústria mundial. O engenheiro volta a ter esperança no futuro e você pode ficar mais tranqüilo quando sua filha disser que está apaixonada por um. Ele tem futuro, e ele pode ser eu!

Luiz Emanuel S. M. Campos
Originalmente publicado por mim em: http://www.cadware.com.br/emanuel.pdf

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Converter JPG para STL grátis

5 erros a se evitar prestando serviços de impressão 3D

Tutorial sobre G-Code - parte 1